Store

sábado, 8 de maio de 2010

FELIZ DIA DAS MÃES


Você é, sua vizinha também. A Maitê, A Malu, A Cláudia. Eu, naturalmente. Somos as melhores do mundo. Aliás, esta é a única categoria em que não há segundo lugar, todas as mães são campeãs, somos bilhões de “as melhores” espalhadas pelo planeta. Ao menos, as melhores para nossos filhos, que nunca tiveram outra. Não é uma sorte ser considerada a melhor, mesmo se atrapalhando tanto? Mãe erra, crianças. E improvisa!

Mãe não vem com manual de instruções: reage apenas aos mandamentos do coração, o que tem um inestimável valor, mas não substitui um bom planejamento estratégico. E planejamento é tudo o que uma mãe não consegue seguir, por mais que livros, revistas e psicólogos tentem nos orientar.
Um dia um exame confirma que você está grávida e a felicidade é imensa e o pânico também. Uau, vou ser responsável pela criação de um ser humano! (papai também, mas em agosto a gente fala dele). A partir daí, nunca mais a vida será como era antes. Nunca mais pensar em si mesma em primeiro lugar. Só depois que eles fizerem 18 anos, e isso demora. E às vezes nem adianta.
O primeiro passo é se acostumar a ser uma pessoa que já não pode se guiar pelos próprios desejos. Você continuará sedo uma mulher ativa, autêntica, batalhadora, independente, estupenda, mas 100% livre, esqueça. De maridos você escapa, dos próprios pais você escapa, mas da responsabilidade de ser mãe, jamais. E nem você quer. Ou será que quer?
De vez em quando, sim, gostaríamos de não ter este compromisso com vidas alheias, de não precisar monitorar os passos dos filhos, de não ter que nos preocupar com a violência que eles terão que enfrentar, de não sofrer pelas dores-de-cotovelo deles, de não temer por suas fragilidades, de não ficar acordadas enquanto eles não chegam e de não perder a paciência quando eles fazem tudo ao contrário do que sonhamos.
Gostaríamos que eles não falassem mal de nós nos consultórios dos psiquiatras, que eles não nos culpassem por suas inseguranças, que não fossemos a razão de seus traumas, que esquecessem os momentos em que fomos severas demais e que nos perdoassem nas vezes em que fomos severas de menos. Há sempre um “demais” e um de “menos” nos perseguindo. Poucas vezes acertamos na intensidade dos nossos conselhos e críticas.
Mas é assim que somos: às vezes exageradamente enérgicas em momentos bobos, às vezes um tantinho condescendentes na hora de impor limites. A gente implica com alguns amigos deles e adora outros e não consegue explicar por quê, mas nossa intuição diz que estamos certas. Mas de que adianta estarmos certas se eles só se darão conta disso quando tiverem os próprios filhos?
Erramos em forçá-los a gostar de aipo, erramos em agasalhá-los tanto para as excursões do colégio, erramos em deixar que passem a tarde no computador em véspera de prova, erramos em não confiar quando eles dizem que sabem a matéria, erramos em nos descabelar porque eles estão com os olhos vermelhos (pode ser um resfriado), erramos quando não os olhamos nos olhos, erramos quando fazemos drama por nada, erramos um pouquinho todo dia por amor e por cansaço.
O que nos torna as melhores mães do mundo é que nossos erros serão sempre acertos, desde que estejamos por perto
Martha Medeiros


Um ótimo dia das mães!

Bjokas

3 comentários:

  1. Feliz dia das Mães.
    Bjinho carinhoso
    Jaque

    ResponderExcluir
  2. Vanuza Figueiredo17 de maio de 2010 09:35

    LINDO este post do dia das mães e a foto dos teus filhotes mais ainda...PARABÉNS para essa super mãe q tu és!!!
    BJo gramde!!!

    ResponderExcluir

Os comentários serão respondidos por aqui.
Bjos